Oração do otimismo 

Fazei, Pai; com que eu não atribua maior importância às mazelas

do corpo que à saúde da alma, às tristezas que à alegria. 

Ajudai-me a não desprezar os meus problemas; nem com eles agastar-me tanto, que não lhes possa

encontrar as soluções. 

Conservai o amor, em meu coração. 

Pois aquele que ama é como a planta que, tendo fortes raízes, pode resistir a todos os ventos. 

Ajudai-me a ser objetivo. 

Para que não desperdice o meu tempo, ou o dos meus irmãos, com palavras inúteis.

Conservai-me a franqueza. 

Pois triste daquele cujas palavras não são acreditadas. E é melhor corar, ao dizer uma verdade,

que empalidecer ao ser apanhado na mentira.

Conservai, em mim, a compreensão. 

Porque é necessário entender àqueles que me cercam, se pretendo entender a mim mesmo. E devo perdoar,

pois como todos preciso do perdão. 

Assim, que eu não seja como o leão que ruge; ou como a corça que, tímida, esconde-se ao menor ruído.

Mas como o vento, que pode ser a brisa acariciante ou o furioso vendaval. 

Sendo humano, sou falível. 

E apenas me cabe desejar que as minhas falhas nãoprejudiquem aos meus irmãos, e sempre me reste a

coragem para repará-las. 

Pois a nobreza, que não existe no erro, está sempre presente no arrependimento. 

Que me encantem as flores e a música. 

Porque aquele que não se extasia com a beleza não é digno da dádiva dos sentidos. 

Que o nascer do sol me traga sempre a esperança de um dia construtivo, e a noite a certeza do merecido repouso. 

Para que o trabalho não me seja um fardo e o repouso uma simples necessidade, mas em ambos eu possa

sentir a Vossa presença.

Pois que eu Vos sinto, Pai, a todos os momentos. Nas pessoas que amo, em tudo o que construo, no próprio

mundo que me cerca.

E, por isto, sou feliz !

 

     

(página anterior)         (início)          (próxima página)