A verdade de cada um

 

 

Atentai para os vossos sentidos. 

E para as vossas emoções. 

Buscai, antes de tudo, sentir. 

Atentai para uma manhã de sol, e uma noite de lua.

Deixai que o vosso corpo sinta o calor do sol, e o frescor da noite. 

Atentai para o milagre da gravidez. E observai como uma rosa brota; como do botão surge a beleza, que

vos encanta o coração.

E atentai para as vossas próprias reações. Observai como a beleza vos toca, como vos desperta emoções

que fogem ao domínio dos sentidos. 

Atentai para tudo isto. 

E percebereis que, em vós, existe algo que foge ao domínio do corpo. E vos encontra em vosso

verdadeiro Eu. 

Assim, sabereis que sois mais do que pensais. 

Pois, em verdade, viveis em função do momento. 

E ele não é mais do que um momento; uma gota perdida no infinito oceano que é a Vida. 

Aprendei a ver a Verdade. 

E esta vos ensina que transcendeis ao corpo. 

E sois mais do que os vossos sentidos, do que as vossas passageiras vontades. Porque a Verdade não

reside em vosso corpo, mas em vosso verdadeiro Eu.

E, confusamente, o percebeis. 

Eis que estais sempre em busca do que sois. 

E jamais vos encontrais. Porque vos procurais onde pensais existir. É quando a Verdade se perde entre

vossas ilusões. 

Assim, julgais a vossa beleza pelas reações que desperta entre os que vos cercam. E a vossa

inteligência pelos erros e acertos do dia-a-dia. E vos enganais, porque a beleza não está no corpo, nem a

inteligência onde os homens julgam descobrí-la.

Sois o que sois. E não adianta vos buscardes. Pois, enquanto o fizerdes, não vos encontrareis.

Enquanto vos virdes pelos olhos dos outros, jamais vos vereis como sois. 

Eis que cada um é como é. E deve procurar apenas a sua verdade. 

Pois, para ele, essa é a verdade maior ...

 

  

(página anterior)          (início)          (próxima página)