O amor e a procura

 

Desejais que, mais uma vez, vos fale sobre o Amor.

E, assim, não percebeis que é ele que fala pela minha boca e busca derramar-se sobre vós.

Como não percebeis que o Amor está em vós, e é a razão de todos os vossos atos e pensamentos.

Em verdade, o menor gesto de cada homem é ditado pelo amor; ainda que seja a si próprio.

Eis que buscais o Amor, por toda a vossa vida; e cegos pelos vossos conceitos, o procurais onde

não está. Mesmo assim, não podeis deixar de sentir a sua presença. 

Vedes o Amor nas flores, e ele está no perfume; Vedes o Amor no sexo, e ele está no prazer;

Vedes o Amor na posse, e ele está na entrega.  O Amor não é o sol, mas o calor; como não é a

lua, mas o encanto que em vós desperta a sua beleza. 

Eu vos tenho visto a derramar lágrimas amargas, ou a sorrir sem motivos; e dizeis que o fazeis em

nome do Amor. 

Errais, entretanto, em cada um destes casos. Pois não é o Amor que vos provoca as lágrimas ou os

sorrisos; antes, a frustração ou a esperança. O Amor apenas existe; e vos preenche. Está em

vós, como a inocência na criança e o desencanto no idoso; e mesmo a inocência e o desencanto

resultam de como cada um vê o Amor. Pois a criança o encontra em seus brinquedos,

em seus pais, em toda a sua volta; enquanto o idoso o culpa por seus próprios erros e

sofrimentos passados. 

Vivei o Amor. 

Não o questioneis, nem procurai explicá-lo. Como tudo que vos pode fazer felizes, ele é natural em vós. 

Deixai, apenas, que se liberte e vos fale ao coração. Que vos traga a ternura e o desejo, as

sensações da entrega e companhia. 

Assim, vos libertareis das suas ânsias. Que, na verdade, não são as ânsias do Amor, mas as dos

vossos próprios desejos. 

E ninguém mais precisará falar-vos sobre o Amor. Nem mais precisareis buscá-lo. 

Porque o encontrareis na beleza de um instante, no som de uma música, no desabrochar de uma flor. 

E o encontrareis no sol e na lua, nos rios e nos mares, na terra que vos suporta o peso e no céu

que vos parece envolver. 

Sim; encontrareis o Amor a todos os instantes, em tudo que vos cerca, depois que o tiverdes

encontrado onde realmente está:  dentro de vós!

 

               

         (página anterior)          (início)          (próxima página)